Páginas

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

30 de Outubro, dia Nacional da Juventude



Precisamos de Santos de calça jeans - João Paulo II

Precisamos de Santos sem véu ou batina.
Precisamos de Santos de calças jeans e tênis.
Precisamos de Santos que vão ao cinema, ouvem música e passeiam com os amigos.
Precisamos de Santos que coloquem Deus em primeiro lugar, mas que se "lascam" na faculdade.
Precisamos de Santos que tenham tempo todo dia para rezar e que saibam namorar na pureza e castidade, ou que consagrem sua castidade.
Precisamos de Santos modernos, santos do século XXI, com uma espiritualidade inserida em nosso tempo.
Precisamos de Santos comprometidos com os pobres e as necessárias mudanças sociais.

Precisamos de Santos que vivam no mundo, se santifiquem no mundo, que não tenham medo de viver no mundo.

Precisamos de Santos que bebam coca-cola e comam hot dog, que usem jeans, que sejam internautas, que escutem disc man.

Precisamos de Santos que amem apaixonadamente a Eucaristia e que não tenham vergonha de tomar um refri ou comer uma pizza no fim-de-semana com os amigos.

Precisamos de Santos que gostem de cinema, de teatro, de música, de dança, de esporte.
Precisamos de Santos sociáveis, abertos, normais, amigos, alegres, companheiros.
Precisamos de Santos que estejam no mundo; e saibam saborear as coisas puras e boas do mundo, mas que não sejam mundanos".

(João Paulo II)



segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Papa Bento XVI anuncia o "Ano da Fé"



Bento XVI presidiu, neste domingo, 16 de outubro, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, a celebração eucarística para a Nova Evangelização. Os participantes do encontro "Novos evangelizadores para a Nova Evangelização – A Palavra de Deus cresce e se multiplica", promovido pelo Pontifício Conselho para a Nova Evangelização, estiveram presentes na cerimônia de encerramento desse evento. O Papa anunciou que em 2012 terá início o "Ano da fè".

"Estou feliz por esta reunião se realizar no contexto do mês de outubro, uma semana antes do Dia Mundial das Missões. Isto reforça a verdadeira dimensão universal da nova evangelização, em harmonia com a missão ad gentes" – frisou o Papa. "Vocês foram escolhidos por ele" – disse Bento XVI citando a 1ª Carta de Paulo aos Tessalonicenses. "Cada missionário do Evangelho deve considerar sempre esta verdade: é o Senhor que toca os corações com sua Palavra e seu Espírito, chamando a pessoa à fé e à comunhão na Igreja" – sublinhou Bento XVI.


"Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida" – disse Jesus. "Os novos evangelizadores são chamados a caminhar por primeiro neste Caminho que é Cristo, para dar a conhecer aos outros a beleza do Evangelho que dá vida. E neste caminho não se está sozinho, mas em companhia: uma experiência de comunhão e fraternidade que é oferecida às pessoas que encontramos, para comunicar-lhes a nossa experiência de Cristo e sua Igreja. Assim, o testemunho unido ao anúncio pode abrir o coração daqueles que buscam a verdade a fim de que possam encontrar o sentido da própria vida" – destacou o Santo Padre.


Para dar novo impulso à missão eclesial, o Papa anunciou – durante a celebração eucarística - que a Igreja celebrará o "Ano da Fé" que terá início em 11 de outubro de 2012, no 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II e se concluirá em 24 de novembro de 2013, Solenidade de Cristo Rei do Universo.


"Será um momento de graça e compromisso para uma plena conversão a Deus, para fortalecer a nossa fé n'Ele e a anunciá-Lo com alegria ao homem do nosso tempo. Queridos irmãos e irmãs, vocês estão entre os protagonistas da nova evangelização que a Igreja iniciou e leva avante, não sem dificuldade, mas com o mesmo entusiasmo dos primeiros cristãos" – concluiu Bento XVI. (MJ)

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Festa de Nossa Senhora Aparecida em Votorantim

video

Cruz Peregrina da JMV em Sorocaba

video

Plenária da Região IV será transmitida ao vivo

Neste final de semana, acontece o V Congresso de Dirigentes da SSVP Regional IV.
O evento será realizado na Casa de Encontros Betania - Cidade de Maria, em Barretos/SP, área do Conselho Metropolitano de São José do Rio Preto.
Na oportunidade estarão reunidos as principais lideranças (Presidentes de Conselhos Centrais, e Diretorias dos Conselhos Metropolitanos e da Regional IV), para direcionamento dos trabalhos e objetivos vicentinos em 2012; e lançamento oficial do Ano Temático: "Vamos aos Pobres...", que será o tema de espiritualidade sugerido a ser trabalhado durante o ano de 2012 em todo o Brasil, com o apoio e incentivo do Conselho Nacional do Brasil.
Estarão participando também Pe. Mizael, Pe. Edson e Pe. Joelson da Congregação da Missão e ainda Ir. Agenor e seminaristas dos Religiosos de São Vicente.
O Congresso inicia-se na sexta-feira às 18h e termina no domingo, às 12h.

O evento será transmitido on-line via internet pelo endereço: www.cmj.org.br
Não deixe de acompanhar e divulgar a todos esta boa novidade.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO APARECIDA E SANTA LUÍSA DE MARILLAC



A festa da Padroeira do Brasil é uma boa ocasião para refletirmos um pouco sobre a devoção mariana no carisma vicentino. Neste texto vamos nos deter em algumas reflexões sobre Maria escritas por Santa Luísa de Marillac.
A Padroeira do Brasil tem por título Nossa Senhora da Conceição Aparecida, pois a imagem encontrada pelos pescadores é uma imagem de Nossa Senhora da Conceição. Certamente, dos quatro dogmas referentes à Maria, o da Imaculada Conceição é o mais conhecido e talvez um dos seus títulos mais populares. Apesar de o dogma ter sido proclamado somente em 1854, no século XV o Papa já havia permitido o ofício e a missa da Imaculada Conceição e mesmo antes disso, esta devoção já era popular entre os católicos. As aparições de Maria à Catarina Labouré (Medalha Milagrosa – 1830) e à Bernadete Soubirous (Lourdes – 1858) fazem referência a esta prerrogativa de Maria.
Na Família Vicentina a devoção a Imaculada Conceição é um traço marcante visto ser uma herança espiritual dos nossos fundadores: São Vicente de Paulo, Santa Luísa de Marillac e o Bem-aventurado Frederico Ozanam. Encontramos em suas vidas e em seus escritos referências a este título de Maria como, por exemplo, a escolha que o fundador da SSVP fez do dia 08 de dezembro, solenidade da Imaculada Conceição, como uma de suas quatro festas regulamentares. A Medalha Milagrosa e a oração ‘Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós’ são mais um sinal de como a Família Vicentina tem um duplo motivo para celebrar a Padroeira do Brasil. Como brasileiros, fazemos parte deste povo que se dirige aos pés da Mãe Aparecida para apresentar suas necessidades, agradecer as graças alcançadas e pedir força para vencer as dificuldades de uma vida dura onde sua dignidade de filhos e filhas de Deus é desconsiderada e, muitas vezes, negada. Como vicentinos inspirados pelos grandes Santos da Caridade, encontramos em Maria, a Imaculada, o modelo de Igreja e de cristãos que queremos ser para servimos os Pobres e, assim, tornarmos o Evangelho vivo em nosso mundo.
Santa Luísa de Marillac, no século XVII, expressava com frequência sua admiração e confiança na Mãe de Deus. Em fidelidade a doutrina católica, a devoção mariana de Santa Luísa é centrada em Jesus, isto é, ela admira e louva Maria, mas sempre reconhecendo que tudo o que nela foi feito e o que ela significa é em função da vida do Filho de Deus.
“Sua Conceição e todas as graças infusas que lhe foram concedidas por causa da escolha que Deus fez dela para sua Mãe, tornaram-na Imaculada em previsão dos méritos da vida de seu Filho” (ELM, p. 785). “Seja eternamente gloriosa essa bela alma escolhida entre milhares e milhões, por sua adesão aos desígnios de Deus!” (ELM, p. 784). Sabemos que o dom da Conceição Imaculada de Maria não a privou de sua liberdade de escolha. Ainda que livre do pecado em função de sua maternidade divina, Deus dá a Maria a possibilidade de aceitar ou não ser a mãe do Salvador; da parte de Deus tudo havia sido feito e preparado para isso, mas havia algo que dependia dela: a adesão. Luísa de Marillac louva Maria que, sendo chamada por Deus para tal missão, decide entregar-se a ela, não colocando obstáculos a ação da graça em sua vida. A graça que Deus lhe concede e a sua decisão de colaborar com ela, levam Maria ao encontro do outro que precisa do seu serviço-missão: Isabel, os pastores pobres de Belém, os noivos de Caná, a comunidade dos seguidores de Jesus. E assim tem sido ao longo da história: Maria se dirige aos pobres e pequenos (camponeses, índios, pastores, pescadores, etc.) para que sejam seus mensageiros a fim de lembrar ao mundo a escolha que seu Filho fez e sua mensagem.
A exemplo da Imaculada, Luísa se vê chamada (e nós também) a não colocar obstáculos a vontade divina, mas deixar-se conduzir a fim de realizar a missão para a qual foi chamada. Aderir aos desígnios de Deus significa entregar-se inteiramente, assumir com responsabilidade e dedicação o projeto que escolhemos. A vida de Santa Luísa não era uma vida centrada nela mesma, ainda quando sofria por causa de seu filho, mas à disposição do serviço dos Pobres onde, como São Vicente, ela se sentia continuando a missão de Jesus.
Aliás, Santa Luísa admira em Maria o modo como ela compartilhou a vida e a missão de Jesus “pelo puro amor que tínheis a Deus e a salvação das almas, pelas quais trabalhastes o resto de vossos dias, à imitação perfeita do Espírito de Jesus, meu Salvador” (ELM, p. 784). Atenta ao que Jesus vivia e ensinava, Maria se mantém aberta a ação do Espírito de Deus que a leva a “renunciar a sua condição de mãe” para tornar-se discípula de seu Filho. Com Jesus, ela vai aprender que buscar a vontade de Deus significa colaborar na realização da vinda do seu Reino, como rezamos no Pai nosso. E um dos sinais do reinado de Deus é “... aos pobres é anunciado o Evangelho” (Lc 7,22). Maria, provavelmente testemunhou isso ao ver o que seu Filho realizava e a multidão de pobres e marginalizados que o seguiam. O evangelista João coloca Maria junto de Jesus em dois momentos muito importantes: no começo de sua vida pública e na sua morte na cruz. Ela compartilhou da alegria da missão, mas também do sofrimento, das dificuldades e da morte e permaneceu sempre fiel. No entanto, Luísa destaca também a maneira como Maria trabalhava pela “salvação das almas”: “à imitação perfeita do Espírito de Jesus”. Precisamos nos lembrar sempre que tudo o que fazemos deve ser feito no Espírito de Jesus e à sua maneira. Algumas vezes, nós planejamos coisas boas, mas elas não são feitas no Espírito de Jesus, isto é, por ele e para ele, muito menos da maneira como ele mesmo espera que vivamos seu Evangelho e façamos nosso serviço dos Pobres. Para Santa Luísa não é suficiente trabalhar por uma causa, é importante também o espírito que nos move a estarmos nela.
“Ao realizar nossas ações, olhemos a Santíssima Virgem e pensemos que a maior honra que lhe possamos tributar é a imitação de suas virtudes” (ELM, p. 899). São Vicente de Paulo ajudou Santa Luísa a purificar suas devoções pessoais e no seu processo de amadurecimento espiritual, ela percebe que a melhor maneira de louvarmos Maria é imitar suas virtudes. Inspirando-nos nelas seremos mais de Deus e realizaremos melhor nossa missão. Não precisamos multiplicar práticas devocionais que muitas vezes cansam e são repetitivas; utilizando as devoções marianas da tradição da nossa Igreja e imitando suas virtudes no nosso cotidiano, estaremos, certamente, cultivando o amor a Maria e honrando-a como nosso Fundadores fizeram e receberemos suas bênçãos para servimos os Pobres, seus filhos amados, nesta terra que lhe é consagrada!


Rezemos:
“Sou toda vossa, Santíssima Virgem, para ser mais perfeitamente de Deus.
Se, pois, vos pertenço, ensinai-me a imitar vossa santa vida, mediante o cumprimento do que Deus quer de mim.
Com toda a humildade reclamo a vossa ajuda; vós que conheceis minha fraqueza,
vede meu coração e dignai suprir com vossas preces o que eu deixar de fazer por minha incapacidade e negligência.
Visto que é de vosso amado Filho, meu Redentor, de quem recebestes as heroicas virtudes que praticastes neste mundo,
uni o espírito de minhas ações à sua santa presença, para a glória de seu santo Amor.
Toda criatura honre vossa grandeza, vos veja como meio seguro de ir a Deus, vos ame de preferência a qualquer outra simples criatura e todas elas vos tributem a glória que mereceis como Filha muito amada do Pai, Mãe do Filho e digna Esposa do Espírito Santo!” (ELM, p. 784).

Irmã Carolina Mureb Santos, FC

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Mobilidade Humana: somos migrantes

“Cada um de nós nasce numa localidade, muda-se para vários outros locais ao longo da vida e nem sabe aonde vai morrer. Bebe água de muitas nascentes diferentes e ingere alimentos de muitas regiões. Somos migrantes”.
Instituído em 2003, o Setor Pastoral da Mobilidade Humana da CNBB realizou em Brasília-DF, de 5 a 7 de outubro de 2011, o IV Encontro Nacional das Pastorais da Mobilidade. Esse setor é agregado à Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz.
Fizeram-se presentes as seguintes pastorais associadas: Pastoral das Migrações, Apostolado do Mar, Pastoral Rodoviária, Pastoral dos Nômades, Pastoral do Turismo, Pastoral dos Refugiados, Pastoral Nipo-Brasileira, Missão Católica Polonesa, Pastoral dos Estudantes Internacionais, Pastoral do Circo, Pastoral do Povo de Rua, Tríplice Fronteira e outras.
Tema do Encontro: “Deslocamentos humanos provocados pelas mudanças climáticas, catástrofes naturais e tecnológicas.” Objetivo: Favorecer o intercâmbio de experiências, a articulação e relato da caminhada das Pastorais do Setor e refletir sobre a questão das mudanças climáticas para perceber seus efeitos na mobilidade humana e firmar nossa presença e resposta como Igreja.
Além das exposições de praxe, a emoção do Encontro ficou por conta de dois testemunhos: 1) Sr. Antonio Araújo Rodrigues, de Cacoal da Estação, interior do Piauí, sobrevivente do rompimento da Barragem de Algodões em 27 de maio de 2009: “Uma lâmina de 20 metros de água arrasou tudo abaixo da barragem por longos quilômetros. Na hora, morreram 24 pessoas e muitos animais. Depois da catástrofe, muita gente continua morrendo, sem condições de sobrevivência. O meu trauma psicológico será para o resto da minha vida.” 2) Ir. Maria Severina Gonçalo da Hora, missionária claretiana, de Murici, Alagoas, descreveu a grande enchente de 2010 que ali destruiu 18 cidades, desabrigou 7 mil famílias, matou de imediato 54 pessoas. Até hoje, há famílias vivendo em abrigos. No esforço de abrigar as grávidas que foram afetadas pela enchente criou-se o projeto “Bem-vindo bebê”. A família Calheiros e o próprio padre dificultaram o socorro às vítimas. A Ir. Severina, muito bem-humorada, fez a descrição das peripécias da equipe de socorro, arrancando dos ouvintes lágrimas, risos e um belo aplauso final.
Fizeram-se presentes ao Encontro várias autoridades da Pastoral da Mobilidade. Um dado revelador: o Pe. Lourenço Mika, vicentino, da Pastoral Rodoviária, disse: “Nós temos a menor igreja do mundo e a maior paróquia do mundo, pois, nosso caminhão-capela tem dois metros quadrados e nós atendemos 2,5 milhões de caminhoneiros nos postos de combustíveis em todo o Brasil.”


Máikol, Curitiba-PR

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

LISTAS TELEFÔNICAS - Doação ajuda dez entidades em Sorocaba e Votorantim



Como saldo final a campanha de recolhimento das listas telefônicas antigas da Epil, dez entidades assistenciais (sendo duas em Votorantim e oito em Sorocaba) receberam doações na manhã de terça-feira. Depois de dois meses coletando as listas antigas, a empresa entregou cerca de R$ 950 em produtos de limpeza, higiene pessoal e alimentos para cada uma das contempladas.


Em Sorocaba o programa está presente desde 2004. O assessor de comunicação da empresa, Gesner Dias Júnior (foto), explica que o papel das listas recolhidas é vendido para reciclagem e o dinheiro revertido em favor das entidades da cidade em que as listas foram recolhidas. Este ano, assim como nos anteriores, foram recolhidas cerca de metade dos catálogos telefônicos. A intenção, segundo ele, é que este número aumente nos próximos anos.


A ação de responsabilidade social, como lembra o assessor, também tem forte apelo ambiental. O projeto é implantado em todas as cidades que a empresa de catálogos telefônicos atua. "É importante que os assinantes se conscientizem e devolvam as listas antigas quando as novas forem entregues", afirma ele.


Em Sorocaba as entidades beneficiadas foram Vila dos Velhinhos, Casa do Menor de Sorocaba, Creche Maria Claro, Hospital Gpaci, Doce Lar do Menor, Centro de Integração da Mulher (CIM-Mulher), Associação Pró Reintegração Social da Criança e Associação Cristã de Assistência Plena (Acap). Na cidade de Votorantim, as doações foram feitas à Creche São Vicente de Paulo e Recanto Renascer Comunidade Terapêutica. Mais informações sobre o projeto pelo telefone 0800-120333.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Creche São Vicente de Paulo agradece e presta conta de Desfile Beneficente



A Creche São Vicente de Paulo de Votorantim agradece a todos os colaboradores que contribuíram para o Sucesso do Desfile Beneficente promovido em parceria com a Nova Girassol Moda Infantil, realizada na tarde do dia 02 de Outubro no Salão Social da APEVO, gentilmente cedida pela sua diretoria. O Evento contou com a presença do Coral Infantil da Secretaria da Cultura de Votorantim e cerca de 42 crianças que apresentaram as novas tendências da Moda Primavera/Verão 2011/2012. No total foram arrecadados R$ 1.277,00 (mil duzentos e setenta e sete reais) que serão destinados a manutenção da entidade que atende 75 crianças de 03 meses a 04 anos de idade.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Obras completas de São Vicente de Paulo serão lançadas no Brasil



Está previsto para o início de 2012, o lançamento do primeiro volume das Obras Completas de São Vicente de Paulo, agora traduzidas em língua portuguesa. Trata-se de um verdadeiro marco histórico para a Família Vicentina no Brasil. Serão ao todo 14 volumes, contendo cartas, conferências e documentos, textos de indescritível profundidade e incontestável relevância, indispensáveis a todos quantos desejam encontrar em São Vicente um referencial seguro na vivência dos valores cristãos, um impulso para a missão e um fascinante estímulo na caridade.

Mais do que qualquer biografia, a leitura dos textos de São Vicente pode revelar-nos o âmago de seu coração e de seu espírito: a humildade, a profundidade e a vastidão de sua caridade; o humanismo e a sensibilidade do seu coração, extremamente terno e amoroso para com os pobres e os seus filhos e filhas espirituais; o incansável batalhador pela causa dos indigentes e sofredores; a irradiação de suas virtudes e obras na França sofrida do seu tempo; a criatividade fecunda de suas iniciativas; a riqueza dos dons com que a Providência o cumulou. Enfim, o milagre de sua vida.

Todos os membros da Família Vicentina são convidados a se aproximarem dessa fonte abundante e cristalina da nossa espiritualidade e missão. Aqueles que desejarem reservar seus exemplares do primeiro volume poderão entrar em contato com os organizadores da publicação: pbcm@pbcm.com.br.

FONTE: PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DA MISSÃO