Páginas

sábado, 31 de julho de 2010

ONU reconhece acesso à água como um direito humano


A Assembleia Geral da ONU reconheceu esta Quarta-feira o acesso a uma água de qualidade e a instalações sanitárias como um direito humano.22 países votaram a favor de uma resolução de compromisso, redigida pela Bolívia, que consagra este direito, enquanto 41 outros se abstiveram."O direito a uma água potável própria e de qualidade e a instalações sanitárias é um direito do homem, indispensável para o pleno gozo do direito à vida”, declara o texto.Na resolução manifesta-se entre outras coisas viva preocupação pelos 884 milhões de pessoas que não têm acesso á água potável e pelos mais de dois bilhões e seiscentos milhões de pessoas que não têm serviços higiénicos e sanitários de base e em particular pelo milhão e meio de crianças com menos de 5 anos que anualmente morrem devido a doenças causadas por estas condições . Perante esta situação, a resolução das Nações Unidas pede aos países mais ricos que aumentem os esforços para prover a um acesso á água potável e serviços higiénico – sanitários para quem deles se encontra desprovido.A resolução passou com 121 votos a favor, nenhum contra e 41 abstenções, prevalentemente de países mais desenvolvidos, entre os quais os Estados Unidos, cujo embaixador defendeu que a resolução, como está formulada pode ser objecto de varias interpretações e não reflecte o direito internacional.Também outros representantes de países que se abstiveram afirmam que a resolução percorreu os tempos faltando bases legais internacionais adequadas, recordando que no próximo ano espera-se do Conselho dos direitos humanos de Genebra o relatório, acerca das obrigações internacionais em matéria de água.Na Mensagem para o Dia Mundial da Paz 2010, Bento XVI alertava para a “questão, hoje mundial, da água e ao sistema hidrológico global, cujo ciclo se reveste de primária importância para a vida na terra, mas está fortemente ameaçado na sua estabilidade pelas alterações climáticas”.Em 2007, numa mensagem escrita por ocasião do Dia Mundial da Água, Bento XVI afirmava que “a água é um direito inalienável", pedindo que todos possam ter acesso a ele, "em particular quem vive em condições de pobreza"."O direito à água, como todos os Direitos Humanos, baseia-se na dignidade humana e não sobre avaliações de tipo puramente quantitativas, que apenas consideram a água como um bem económico", alertou.


Fonte: Rádio Vaticano

Igreja Católica avança com «Fundo Social Solidário»


Em Portugal a Igreja Católica vai criar um «Fundo Social Solidário» destinado a salvaguardar a subsistência das pessoas carenciadas, respondendo às suas necessidades mais urgentes de alimentação, saúde, habitação e encargos escolares.Os detalhes da medida, anunciada a 22 de Julho pelo presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social, D. Carlos Azevedo, foram definidos esta semana, num encontro que juntou representantes da Cáritas Portuguesa, Sociedade São Vicente de Paulo e Comissões Justiça e Paz (nacional e das congregações religiosas).Esta «Equipa Animadora do Fundo Social», que inclui delegados da União das Misericórdias, vai encontrar-se todos os meses para atribuir as quantias disponibilizadas pelos donativos.A partilha dessas verbas responde exclusivamente a necessidades básicas apresentadas pelos «Elos de Ligação do Fundo Social», grupos constituídos em cada diocese por delegados da Cáritas e da Sociedade de São Vicente de Paulo, que mensalmente seleccionam pedidos de ajuda a partir de casos comunicados pelas paróquias.O «Fundo Social Solidário» compreende também uma vertente formativa: a Cáritas pretende que os “Elos de Ligação” diocesanos promovam acções de capacitação dirigidas a agentes paroquiais ligados ao apoio social.Esta formação vai tornar possível o aconselhamento no campo do redimensionamento de dívidas, gestão de orçamentos familiares e recurso ao crédito, para que “as pessoas não se aventurem a encargos maiores do que as suas possibilidades”, referiu o presidente da instituição de apoio social da Igreja Católica.O projeto prevê igualmente a realização de sessões pedagógicas para os beneficiários do Fundo Social Solidário.

Fonte: Rádio Vaticano

Voluntários da Gerdau levam Conscientização aos alunos da Creche São Vicente



Voluntários da Gerdau -Unidade Sorocaba estiveram visitando a Creche São Vicente de Paulo de Votorantim na manhã do dia 30 de Agosto.
Os voluntários aplicaram aos alunos do Maternal I e II da Instituição um Teatro de Fantoche conscientizando as crianças sob o uso da água.

LIVRO: FUNDAMENTOS BÁSICOS DA AIC-BRASIL - Associação Internacional de Caridades


Associação Internacional de Caridades
Falar da AIC - Associação Internacional de Caridades é descrever a mais antiga associação feminina da história do voluntariado. Com efeito, suas origens remontam ao ano de 1617, ano em que São Vicente de Paulo, em Châtillon-les-Dombes – França - reuniu, pela primeira vez, um grupo de senhoras e estruturou suas primeiras iniciativas de assistência às famílias pobres da paróquia. Estava formada uma Associação de mulheres. São Vicente de Paulo dizia às senhoras de Paris em 11 de julho de 1657: “Faz mais ou menos oitocentos anos que as mulheres não têm nenhuma função pública na Igreja; antes, houve as que se chamavam diaconisas... Desde a época de Carlos Magno, porém, por misteriosa disposição da Providência de Deus, essa prática se extinguiu, e as mulheres se viram privadas de qualquer função, nenhuma outra lhes cabendo desde então. E é aqui que a mesma Providência se volta hoje para as mulheres, para que supram ao que falta aos Pobres enfermos do hospital”.


A AIC – Associação Internacional de Caridades fundada na França por São Vicente de Paulo em 1617 tem no itinerário de seus trabalhos: 1. Honrar o amor de Nosso Senhor pelos Pobres, aprofundando a Espiritualidade Vicentina, formando-se e preparando-se seriamente para responder às suas queixas; 2. Assistir os Pobres material e espiritualmente, encorajando sua participação, a fim de que eles se envolvam ativamente em seu próprio desenvolvimento e no de sua comunidade, e que eles atinjam seu “empowerment” – empoderamento; 3. Defender os Direitos dos Pobres, com eles, tratando-os de igual para igual; 4. Ser solidária à causa das mulheres pobres, das que sofrem discriminação e maus-tratos; 5. Encorajar a corresponsabilidade, o trabalho em rede e as colaborações em todos os níveis; 6. Tomar consciência da necessidade de construir a paz, não somente individual mas também estrutural; 7. Mudar as estruturas através duma ação apostólica vivida nas ações políticas e sociais. Estas ações devem ser capazes de transformar tanto os corações quanto a sociedade.


AIC - Associação Internacional de Caridades é uma rede formada por 52 associações com mais de 200.000 mulheres voluntárias que está presente na África, América Latina, Ásia, Europa e USA. A Associação Internacional de Caridades com o tema “Contra as pobrezas, agir juntos”, se transforma em uma rede de projetos através do mundo. Deste modo, procura semear entre as mulheres a solidariedade que se exprime, concretamente, na participação ativa nas iniciativas de proteção comunitária, projetadas e executadas, de comum acordo, pelas Voluntárias e pelas mulheres das comunidades locais, mulheres que poderão ser, futuramente, Voluntárias de Caridades da Associação Internacional de Caridades, engajadas na autopromoção de sua comunidade.


A AIC - Associação Internacional de Caridades é integrada com a Família Vicentina. Este processo, fundamentalmente cristão e eclesial, este caminho, percorrido pela Associação Internacional de Caridades, unida com os padres da Congregação da Missão e com as Filhas da Caridade, que sempre apoiaram esta Associação desde o tempo de São Vicente de Paulo e, conjuntamente com todos os demais Ramos da Família Vicentina, continua realizando seu trabalho de serviço aos Pobres, conforme o carisma e a espiritualidade de São Vicente de Paulo.



Título: Fundamentos Básicos da AIC-Brasil - Associação Internacional de Caridades
Organizador: Mizaél Donizetti Poggioli
Coleção Vicentina Nº 35
Ano de publicação: 2010
Número de páginas: 176
Preço: R$ 10,00 mais despesas de Correio.

Os modos como o carisma de São Vicente e de Santa Luísa é vivido nos vários ramos da Família Vicentina


Um carisma é vivo e relevante quando, ao longo do tempo, é aceito e adotado por muitas pessoas. Nos 350 anos desde a morte de São Vicente e Santa Luísa, o “carisma vicentino” provou ser desse tipo, porque inspirou numerosos seguidores ao longo dos séculos. Até hoje continua a ser assumido, adotado e vivido por numerosos grupos, associações, institutos e movimentos. Sua vitalidade e relevância para nosso tempo se manifesta de vários modos: 1) na profunda consciência de sermos uma família que partilha um carisma; 2) nos projetos e programas que atendem às múltiplas necessidades dos Pobres de hoje; 3) na abordagem pastoral que enfatiza a solidariedade, a colaboração e a parceria; 4) na continuada reflexão sobre os seus laços espirituais distintivos.


1. Uma família que partilha um carisma


Viver um carisma começa pela profunda consciência e apreciação de seu sentido e de sua importância. Urgidos pelos chamados que o Concílio Vaticano II fez aos grupos religiosos para que voltassem a seu carisma e à sua missão original, os seguidores de São Vicente Santa Luísa estiveram entre as Congregações e Associações que responderam com entusiasmo a este reexame e a esta atualização das expressões de seu carisma distintivo. No processo e ao longo do caminho, perceberam que não eram os únicos a viver o carisma vicentino. Atualmente, uma inteira família espiritual está redescobrindo os laços que nos unem e nos levam juntos à evangelização e ao serviço dos Pobres.


Antes da década de 1980, se falava na dupla família de São Vicente, referindo-nos às duas fundações originais e diretas da Congregação da Missão e da Companhia das Filhas da Caridade; hoje falamos de Família Vicentina, que consiste em mais de 260 grupos, institutos e movimentos que partilham o carisma de São Vicente e Santa Luísa. Ao lado das duas mencionadas acima, entre os muitos grupos internacionais dessa Família, há dois grupos leigos: as Confrarias da Caridade – Senhoras da Caridade, de fato a primeira fundação de São Vicente (1617), hoje conhecidas como Associação Internacional de Caridades (AIC), e a Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP), o mais numeroso ramo da Família. Outros grupos internacionais da Família incluem hoje as muitas Congregações de Irmãs de Caridade (especialmente as das duas federações – de Estrasburgo e dos Estados Unidos – e as de Santa Joana Antide Thouret), os Irmãos da Caridade, os Irmãos e Irmãs da Misericórdia, a Juventude Marial Vicentina (JMV), a Associação da Medalha Milagrosa (AMM), os Religiosos de São Vicente (RSV), os Missionários Leigos Vicentinos (MISEVI), etc.


Esses variados grupos foram fundados ou diretamente por São Vicente e Santa Luísa ou depois, por algum membro da Congregação da Missão ou por Filhas da Caridade, ou seguiram as regras dos Padres da Missão e das Filhas da Caridade, ou simplesmente assumiram os dois santos como seus patronos. O que une e move todos nós é a missão de amar e servir os que vivem nas várias formas de pobreza e marginalização. A Família Vicentina hoje conta entre seus membros pessoas leigas e consagradas/ordenadas, homens e mulheres, jovens e adultos, ricos e pobres, católicos e mesmo não católicos. Sentem-se chamados a agir juntos para superar a pobreza extrema, a desnutrição, a precariedade da saúde, o analfabetismo, as migrações, a desigualdade de gênero, as injustiça, a opressão, etc. Embora sejamos bem mais de um milhão de membros, a maioria dos quais são voluntários leigos, não podemos eliminar todas as formas de pobreza; entretanto representamos uma formidável e genuína força que pode fazer diferença nas vidas dos Pobres.


2. Caridades e Missões hoje: programas que dão segurança aos Pobres


O carisma vicentino, além disso, está sendo vivido hoje em muitos projetos e programas concretos de serviço direto dos Pobres. Desde o século 17 os dois pilares gêmeos das intervenções de São Vicente e Santa Luísa em favor dos Pobres – as missões ou a evangelização e as obras de caridade (em favor dos pobres, dos idosos, das crianças, dos deficientes, etc.) foram sempre os principais compromissos dos vários ramos da Família Vicentina. Assim, os Padres e Irmãos da Congregação continuam a pregar missões populares, a trabalhar em seminários e casas de formação de futuros padres, enquanto que as Filhas da Caridade, as Irmãs da Caridade, as Irmãs da Misericórdia, entre outros, estão engajadas em clínicas, hospitais e centros de saúde, em orfanatos, em programas de distribuição de alimentos, etc. Muitos grupos da Família ajudam os Pobres administrando escolas, colégios e mesmo universidades e estão envolvidos em outras formas de capacitação e educação. Muitos grupos trabalham com os idosos, os jovens, os deficientes físicos, as crianças de rua e também com os presos nas cadeias, nos centros de detenção, etc. Um bom número de nossos grupos predominantemente femininos, como a AIC, as Filhas da Caridade e as Irmãs da Caridade, trabalha com mulheres pobres seja cuidando da saúde das mães ou ensinando o modo de criar os filhos, seja em programas de alfabetização e preparação para conseguir emprego e subsistência. Alguns desses projetos que direta e concretamente impactam as vidas dos Pobres foram devidamente reconhecidos em tempos recentes e premiados por governos e diversas instituições.


Mas, além desses serviços comprovados pelo tempo, muitos dos ramos da nossa Família Vicentina empreenderam projetos de ajuda às pessoas vítimas das “novas formas da pobreza”, como pacientes de HIV AIDS, dependentes de drogas, refugiados, migrantes, vítimas de guerra e pessoas que são segregados culturalmente. Além disso, inspirados não pouco pela visão mais ampla do Vaticano II, nossos amigos “vicentinos” se lançaram a trabalhos pela justiça e pela paz, trabalhos de educação política, de desenvolvimento comunitário, em programas de geração de renda e microfinanciamentos, na construção de casas e em projetos de infraestrutura, etc. Seguindo a intuição de São Vicente e Santa Luísa em relação a uma perspectiva integrada para enfrentar a pobreza – tanto material como espiritual – e reconhecendo que os vários fatores da sociedade interagem uns sobre os outros, a Família Vicentina lançou o programa da “mudança de estruturas”. Isto representa um passo profético e um repensar mais corajoso de suas intervenções nas vidas dos Pobres. Como família, não somos chamados apenas a providenciar o evidente mas temporário atendimento de comida, casa, vestuário, cuidados de saúde, etc., mas, muito mais importante que isso, somos chamados a lutar pelos Pobres e a defender seus direitos, de modo que possamos provocar uma mudança nas estruturas que perpetuam a pobreza, para preparar o próprio envolvimento deles nessas mudanças e assim criar condições para um desenvolvimento sustentável. Nossos trabalhos em Akamasoa (em Madagascar), em Payatas (nas Filipinas) e no Haiti são apenas uns poucos projetos desse tipo.


3. Solidariedade, colaboração e parceria


Um dos modos mais característicos como os ramos de nossa Família concretizam o carisma vicentino no presente é a atitude positiva em relação à solidariedade, à colaboração e à parceria, particularmente com os Pobres. Pegando a deixa do próprio São Vicente e de suas habilidades organizacionais, a Família Vicentina hoje procura envolver vários setores da Igreja e da sociedade no serviço dos Pobres. Formas modernas de colaboração e parceria vêm acontecendo em nossa família em vários níveis.


Dentro de cada ramo, programas de irmanação (hermanamiento, jumelage, twinning programs), tanto em projetos pelos Pobres como em sessões de formação dos membros, tornaram-se um meio muito efetivo de exercer a corresponsabilidade entre aqueles que dispõem de meios e os que sofrem necessidades urgentes. Entre as associações leigas, por exemplo, a Sociedade de São Vicente de Paulo e a Associação Internacional de Caridades refinaram suas estratégias, resultando num conhecimento alargado da pobreza em nível mundial, numa consciência realista dos meios disponíveis e também numa apreciação mais profunda de nossa missão institucional e do nosso carisma vicentino.


Entre os ramos em nível nacional, vários países e mesmo continentes organizaram conselhos coordenadores da Família Vicentina com a finalidade de sincronizar projetos e atividades. Na Irlanda a Congregação da Missão, as Filhas da Caridade e a Sociedade de São Vicente de Paulo formaram a “Millenium Partnership for Social Justice” para trabalhar em favor das mudanças sociais e econômicas que combatem vigorosamente a pobreza e a exclusão. No nível internacional, os Superiores Gerais e os Presidentes internacionais de vários ramos se encontram anualmente, há já 16 anos, para providenciar orientações para nossas atividades comuns e para os projetos internacionais relativos à luta contra a fome, para a celebração anual das festas de São Vicente e Santa Luísa e para planejar acontecimentos extraordinários como os 350 anos da morte de São Vicente e Santa Luísa, os 200 anos da fundação de Santa Elizabeth Seton, etc.


A parceria está sendo promovida também entre ramos da nossa Família Vicentina e outros setores da Igreja e da sociedade. A AIC, por exemplo é representada na Conferência das Organizações Católicas, no Pontifício Conselho dos Leigos, etc. As Filhas da Caridade assumiram o projeto DREAM para vítimas da Aids em parceria com a comunidade de santo Egídio. A Sociedade de São Vicente de Paulo está em coordenação com várias companhias químicas para produzir remédios mais acessíveis contra a malária. Muitos de nossos grupos da Família trabalham estreitamente unidos com paróquias locais e com seus organismos sociais, com alguns ramos nacionais da Caritas, e também com outras congregações religiosas que também servem os Pobres. Além disso, vários ramos gozam de representação como ONGs junto às Nações Unidas e seus vários órgãos como a Unesco, o Unicef, etc. De fato, muitos projetos da Família Vicentina tentam realizar os oito Objetivos do Desenvolvimento no Milênio, iniciativa das Nações Unidas, especialmente a redução da pobreza extrema, a promoção das mulheres e o desenvolvimento de parcerias globais. Tudo isso se está se tornando como que uma segunda natureza para a nossa Família Vicentina, na medida em que tenta fazer o que São Vicente e Santa Luísa fizeram no século 17 – aumentar o nível de engajamento dos ricos e dos poderosos no compromisso em favor dos Pobres. Promovendo solidariedade, parceria e colaboração sem fronteiras, nossa Família provoca mudanças nas vidas dos Pobres de uma forma organizada.


4. Reflexão continuada sobre o espírito vicentino


Um quarto meio significativo de viver e incorporar o carisma vicentino hoje é através da contínua reflexão sobre a espiritualidade distintiva que fundamenta nossos projetos e programas. Nossa Família crê sinceramente que a genuína formação no espírito tem que andar em conjunto com nossos projetos e programas em favor dos Pobres.


Esta visão espiritual está ancorada em intuições fundamentais de São Vicente: o discernimento da vontade de Deus e a fidelidade a ela, a identificação dos Pobres com Cristo, a caridade efetiva e afetiva, o serviço holística do corpo e da alma, a evangelização integral, a visão dos Pobres como nossos “senhores e patrões”, etc. Estudos sobre estes e outros temas ajudaram a aprofundar nossa compreensão e as motivações de nosso trabalho com os Pobres. Então, sessões de formação sobre o espírito e o carisma vicentino continuam a ser um componente regular de nossas reuniões e encontros, seja a Semana anual de Estudos Vicentinos de Salamanca, na Espanha, a Escola de Espiritualidade Vicentina em Curitiba, no Brasil, a sessão para formadores vicentinos na Ásia e na África, o encontro da Família Vicentina nos Estados Unidos, as sessões continentais para assessores e líderes da Família Vicentina (no México, no Brasil, nos Camarões, na Tailândia, na Europa, nos Estados Unidos/Canadá) sobre as mudanças de estruturas, sejam os encontros anuais de Superiores e Responsáveis internacionais da Família Vicentina. Estas sessões de formação nos ajudam a impregnar-nos da riqueza de nossa visão fundamental e a concretizá-la e operacionalizá-la num dado contexto de pobreza e necessidades. Enraizados em nossas vidas e na experiência com os Pobres, tais estudos nos ajudam especialmente a entrar no espaço sagrado do encontro entre os Pobres, Deus e nós mesmos, dando-nos a oportunidade de ser os simples, humildes e amorosos servos dos Pobres. Neste processo, com Maria, damos ao mundo um brilhante testemunho do amor de Deus por toda a humanidade.


FAMVIN e o “site” na Internet


Finalmente, um meio criativo e atual de concretizar nosso carisma vicentino é precisamente através dos diversos meios de comunicação disponíveis hoje. Praticamente cada ramo da Família mantém sua página na Internet, que está ligada e relacionada com as dos outros ramos. O “website” da Família, FAMVIN, serviu como rede central de informações, por meio da qual os membros da Família e outros que de algum modo estejam interessados poderão ser capazes de crescer em seu conhecimento da história da família, das atividades e programas atuais e dos planos futuros. É pensar que tudo isso está disponível em espanhol, francês e inglês e, além disso, em alemão, indonésio, italiano e português, etc.!


Estes diferentes meios ilustram a vitalidade e validade do carisma vicentino em muitas partes do mundo hoje. Ainda mais, confirmam que a Família Vicentina não só permaneceu fiel ao espírito e à metodologia de São Vicente e Santa Luísa mas também procurou renovar-se a si mesma nesse espírito ao mesmo tempo em que esteve aberta às novas possibilidades e estratégias. Do mesmo modo esses meios confirmam-nos em nossa crença de que o melhor caminho para responder à pobreza global é com a forma igualmente global da solidariedade, da colaboração e das parcerias.


Em conclusão, é bom lembrar-nos do que São Vicente disse às Filhas da Caridade, em relação à origem do carisma delas: “Eis aí, minhas Filhas, qual foi o começo da Companhia de vocês; como então ela não era o que é hoje, pode-se crer que ainda não é o que será, quando Deus a tiver posto no estado em que a deseja; porque, minhas Filhas, vocês não devem pensar que as Comunidades se fazem num instante. São Bento, Santo Agostinho, São Domingos e todos esses grandes servos de Deus cujas Ordens são tão florescentes, não pensavam absolutamente naquilo que fizeram. Mas Deus agiu por meio deles” (SV IX, 245, conferência de 13 de fevereiro de 1646). Santa Luísa também nos mostra como podemos impregnar-nos deste especial carisma que nos foi dado por Deus: “Bem-aventurados os que… A fome e a sede são duas necessidades cobradas com avidez pela natureza, sobretudo nos corpos sadios; se nossas almas o estão também, devem senti-las, não como paixões, mas como desejos de justiça. Pela fome de justiça, entendo a renúncia geral a todas as minhas paixões, tão contrárias aos mandamentos de Deus, como à perfeição que ele me pede; e também a preocupação de dar ao próximo, por palavra e obra e sentimentos do coração, aquilo que a caridade requer. E pela sede [de justiça] que, por ser mais premente, nos deve fazer desejar algo de mais nobre, será a união com nosso Deus e as disposições e meios para alcançá-la, um veemente desejo de que reine em nós o efeito da santa Vontade e de procurar, tanto quanto dependa de nós, que reine ela também nos outros” (Santa Luísa de Marillac, E. 35 [A 30], p. 841).


Questões para reflexão:

Em sua experiência pessoal, o que o inspirou abraçar o carisma vicentina? Que consequências isso tem para você e para seu serviço com os Pobres?
O que você deve fazer para promover a colaboração e a parceria na Família Vicentina, primeiro em seu país e depois no mundo inteiro?



Escrito por Pe. Manuel Ginete, CM, Delegado para a Família Vicentina

Traduzido por Pe. Lauro Palu, CM, provincia do Rio de Janeiro o Brasil

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Revista britânica afirma que 'Bolsa Família' não reduz índices de pobreza no Brasil



A revista britânica "The Economist" trouxe em sua edição desta semana um longo artigo sobre o programa “Bolsa Família”, onde afirma que, apesar da grande contribuição do programa para a redução dos índices de pobreza do Brasil, ele parece não funcionar tão bem no combate à pobreza nas grandes cidades.

Segundo a publicação, um dos principais fatores que levam a esta situação, é o fato de o programa ter substituído, a partir de 2003, uma série de outros benefícios que somados poderiam representar ganhos maiores para estas famílias das cidades que o montante concedido atualmente.

De acordo com a revista - que cita dados da Fundação Getúlio Vargas -, cerca de um sexto da redução da pobreza no país nos últimos anos pode ser atribuído ao Bolsa Família, no entanto, algumas evidências sugerem que o programa não está funcionando tão bem nas cidades como nas áreas rurais".

"O sucesso do Brasil em reduzir a pobreza parece ser maior nas áreas rurais que nas urbanas", diz o artigo, que cita dados das Nações Unidas indicando que houve uma redução de 15 pontos percentuais no número de pobres na população rural entre 2003 e 2008, enquanto nas cidades essa diminuição foi muito menor.

"Embora seja difícil provar pela falta de dados oficiais, evidências sugerem que a quantia (atual) pode valer menos que os antigos benefícios", diz a revista.
Outro problema citado pela "Economist" é o fato de o programa ter tido pouco sucesso em reduzir o trabalho infantil.
Segundo a publicação, crianças das cidades podem ganhar mais dinheiro vendendo bugigangas ou trabalhando como empregados do que ficando na escola para receber os benefícios.
Embora afirme que estes fatores não signifiquem que o Bolsa Família seja desperdício de dinheiro nas áreas urbanas, o artigo diz, que o programa não é uma solução mágica, como tem sido tratado no Brasil e em outros países.


Fonte: BBC Brasil

Vídeo: Companhia Filhas da Caridade

Cresce número de computadores em lares brasileiros


Ter um computador disponível para uso doméstico é uma realidade para 36% das famílias brasileiras, como mostra a pesquisa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).
De acordo com o levantamento do CGI.br, o número de lares que possuem um computador doméstico cresceu 30% em 2009 em relação ao ano anterior.
Já o uso da internet nos lares brasileiros aumentou 35% no período.
Em 2008 eram 20% de casas com acesso à web, ante 27% dos domicílios em 2009, aponta a pesquisa.
Entre 2005 e 2009, o volume de brasileiros com um computador em casa cresceu 21%, enquanto os domicílios com serviço de internet tiveram expansão de 20%.
Veja o que apontou a pesquisa:
De que forma o brasileiro tem acesso à conexão com a rede mundial de computadores (web)
Em casa: 48%
Em LAN houses: 45%
Na casa de outra pessoa: 26%
No trabalho: 22%
Na escola: 14%
Em telecentros: 4%
Uso responsável da internet - O Comitê para Democratização da Informática (CDI) divulgou na quarta-feira (28) novas orientações sobre o uso responsável da internet.
Serão distribuídos 50 mil exemplares da cartilha em lan houses, escolas, telecentros e para famílias.
Além de atualizar material do site, entidade lança também cartilha com dicas de como navegar com segurança.
"As crianças, cada vez mais presentes na Internet, precisam da orientação adequada para que a tecnologia seja benéfica para seu desenvolvimento", disse Rodrigo Baggio, fundador e vice-presidente executivo do CDI.
O levantamento apontou que a faixa etária entre 6 e 14 anos representa 12% da audiência total da internet brasileira, o que equivale a cinco milhões de internautas.
O material está disponível também no site da entidade: internetresponsavel.com.br

Com informações Eband

Foto: Agência Brasil

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Serviço de Animação Vocacional Vicentina

Pobreza, principal preocupação da Ação Católica Latino-Americana


Com a participação de trinta delegações do México, Argentina, Peru, Nicarágua, Estados Unidos, Guatemala, Colômbia e Equador, aconteceu o Sexto Fórum da Ação Católica da América Latina.

O objetivo foi “refletir na vida, no pão, na liberdade e na paz para efeito nos povos latino-americanos”, segundo expressou Emilio Inzaurraga, coordenador geral do Fórum.

Entrevistado na missa da peregrinação dos membros do fórum na Antiga Basílica de Guadalupe, Inzaurraga destacou que as análises se dividem em três etapas desde o ponto de vista social, eclesial e associativo, com o propósito de abordar ações junto aos povos da América Latina.

“Trabalhamos sobre os desafios de nosso continente. Discutimos, por exemplo, o aumento de pessoas pobres, que atualmente já somam mais de 190 milhões em nosso continente. A pobreza mata e marginaliza. A Ação Católica assume esses desafios com a finalidade de dar apoio às comunidades”, disse Emilio Inzaurraga.

O representante da Ação Católica, de origem argentina, mencionou que este movimento “tem contribuído para o desenvolvimento da humanidade para que cada pessoa se reencontre com sua dignidade, fazendo frente aos problemas do mundo, como a insegurança, os problemas econômicos, terrorismo, fome e a discriminação".

No fórum – disse o coordenador geral – foram analisadas as palavras: pão na alimentação dos homens e na pobreza; vida, desde concepção até a morte natural; família e liberdade religiosa na América Latina.

Dom Domenico Zigalini, bispo assistente do Fórum Internacional da Ação Católica, enfatizou que a vida, o pão e a liberdade são elementos fundamentais da vida do homem. Contudo, “a vida vem de Deus, enquanto que o pão é o dom de nossa vida. A paz e a liberdade são valores humanos e cristãos da vida do mundo. Isso nos obriga a ser corresponsáveis com os demais, seguindo o Evangelho”.


Fonte: Zenit

Compromisso social precisa de cristãos de vida espiritual, afirma Papa


Frente aos apremiantes desafios sociais, Bento XVI pediu uma adequada formação dos cristãos e uma vida espiritual mais profunda, na mensagem que enviou ao 6º Encontro Continental Americano da Ação Católica (AC), realizado de 8 a 11 de julho no México.

A missiva, que o cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado do Papa, fez chegar em nome do Pontífice aos participantes do fórum, realizado na sede da Conferência do Episcopado Mexicano (CEM), "os anima a aprofundar no papel fundamental dos leigos na construção de uma sociedade mais humana, que responda ao projeto original de Deus sobre a humanidade".

"Ao mesmo tempo, e sendo conscientes dos múltiplos desafios que os cristãos devem enfrentar no mundo atual", o Papa exorta os representantes da Ação Católica a "prestar cada vez mais atenção à necessidade de uma adequada formação e de uma profunda vida espiritual nos fiéis, que leve em consideração seriamente a experiência de fé em Deus, já que o desenvolvimento precisa de cristãos com os braços erguidos a Deus em oração, cristãos conscientes de que o amor repleto de verdade, ‘caritas in veritate', do qual procede o autêntico desenvolvimento, não é o resultado do nosso esforço, mas um dom".

O encontro, que teve como lema "Vida, pão, paz e liberdade: leigos da Ação Católica na cidade para um mundo mais humano", reuniu 30 delegações do México, Argentina, Peru, Nicarágua, Estados Unidos, Guatemala, Colômbia e Equador.


Fonte: Zenit

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Quem são os assistentes do Pe. Greg a frente da Congregação da Missão

Pe. Eli Chaves
Demais membros junto ao Pe.Gregory

I - 1º Assistente: Pe. Eli Chaves DOS SANTOS, Província do Rio de Janeiro. Nascimento: 04/10/1953. Vocação 1/7/1972. Votos: 08/12/1977. Ordenação: 25/07/1979. Exerceu os ministérios de Formador, Pároco, Conselheiro Provincial, Visitador. Atualmente presta serviço à Missão na Vice-Província de Moçambique onde exerce também o ofício de Diretor Provincial das Filhas da Caridade. Foi eleito assistente do Superior Geral no segundo escrutínio com o apoio de 79 dos 113 votantes.
II - 2º Assistente: Pe. Yosief ZERACRISTOS, ex vice-visitador da Província São Justino de Jacobis (2001-2010), Eritréia. Nascimento 29/01/1961. Vocação: 16/05/1983. Votos: 15/03/1990. Ordenação: 04/08/1991. Foi eleito no primeiro escrutínio com o apoio de 74 dos 113 votantes.

III - 3º Assistente: Pe. Varghese THOTTAMKARA,visitador da Província da Índia Sul (2006-2010). Nascimento: 23/05/1960. Vocação: 11/05/1982. Votos: 10/06/1986. Ordenação: 06/01/1987. Especializado em Teologia Moral. Exerceu os ministérios de Formador, Conselheiro Provincial, Superior Local, Procurador Geral. Foi eleito no segundo escrutínio com o apoio de 77 dos 113 votantes.

IV - 4º Assistente: Pe. Stanislav ZONTÁK, visitador da Província do Congo. Nascimento: 25/09/1961. Vocação: 27/09/1981. Votos: 27/09/1984. Ordenação: 15/06/1986. Exerceu os ministérios de Vigário Paroquial, Pároco, Missionário na Ucrânia, Superior Local, Conselheiro Provincial, Formação dos Nossos, Diretor do Seminário Interno, Visitador da Slováquia (2002-2008), Diretor das Filhas das Caridade (2008-2009). Foi eleito no primeiro escrutínio com o apoio de 66 dos 113 votantes.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Alumínio é sede do Encontro Anual Vicentino

O Conselho Particular São Benedito de Alumínio estará promovendo no próximo dia 01 de Agosto(Domingo) das 08 às 16 horas mais uma edição do Encontro Anual Vicentino -EAVI
O Evento que acontecerá na igreja Matriz de São Francisco de Paula (Foto) terá como tema:"Caridade e Missão", conforme proposto pela coordenação Internacional da Família Vicentina. A Taxa de Adesão será de R$ 5,00 para o custeio das refeições.

Conselho Central de Votorantim apresenta resultados da 95a Festa Junina


Receitas: R$ 27.632,81
Despesas: R$ 13.565,77
Lucro Líquido: R$ 14.067,04

terça-feira, 20 de julho de 2010

Ações pelas vítimas das chuvas continuam no Nordeste



Não cessou o amparo da Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP) às famílias que perderam tudo, com as chuvas que avassalaram o Nordeste brasileiro. Segundo o confrade Sandro Inácio, da Região 6 (que engloba os Conselhos Metropolitanos de João Pessoa; Olinda e Recife; Maceió; e Bahia e Sergipe), estão sendo feitos contatos com iniciativa privada local, no intuito de angariar recursos em prol das vítimas.
Também foram articuladas ações para que as unidades vicentinas da região doem dinheiro e materiais de limpeza.
Na cidade de Palmares, três assistidos perderam as casas devido às enchentes. Sandro Inácio informou que, ainda esta semana, vai contactar o Governo, para inseri-los no cadastro do programa ‘Minha Casa Minha Vida’.

AJUDE

Voluntários podem fazer doações na Caixa Econômica Federal, Agência 0055, Operação 003, Conta Corrente 3796-0. A doação deve ser confirmada por e-mail regiao6@ssvpbrasil.org.br ou telefone (82) 3221-1059.

Fonte: da redação do SSVPBRASIL

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Creche São Vicente promove Bazar


A Creche São Vicente de Paulo estará promovendo no próximo dia 22 de Julho das 08 as 16h um Bazar Beneficente prol a manutenção da Instituição. A entidade está localizada na rua Augusto Jesuíno Bauch, 41, no Bairro Monte Alegre em Votorantim.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

CELEBRANDO SÃO VICENTE E SANTA LUÍSA COM OS POBRES

Alguém poderia imaginar a festa dos 350 anos da morte de São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac sem os Pobres? Eles são os santos da Caridade. Ele é o “Pai dos Pobres” e o “Apóstolo da Caridade”. Ela é a santa patrona das Obras Sociais e dos seus agentes. A vida deles foi totalmente dedicada ao serviço dos Pobres. Por isso, naturalmente, os Pobres devem ser incluídos em nossas celebrações.
Até agora, a maioria das pessoas que servimos como Família Vicentina não conhece São Vicente e Santa Luísa. Por quê? Porque a maioria de nós da Família Vicentina raramente dedicou tempo para falar de nossos Fundadores àqueles que visitamos em suas casas ou nos leitos dos hospitais, onde quer que os sirvamos. Vivenciamos nosso carisma ao servir, mas não dizemos às pessoas por que fazemos o que fazemos. Neste ano, especialmente neste ano da celebração, precisamos transmitir às pessoas as histórias de nossos Fundadores. De fato, este ano é o tempo perfeito para anunciar às pessoas que servimos que fazemos o que estamos fazendo, por causa de São Vicente e Santa Luísa. São nossos heróis, os modelos de nossas ações. Precisamos falar-lhes disso, para que os outros também possam enriquecer-se com a realidade da Espiritualidade Vicentina e do Carisma Vicentino.
Entre os muitos grandes homens e mulheres da história, talvez haja para cada um de nós uns poucos ou mesmo só um ou dois que falam a linguagem de nosso coração e nos inspiram. São nossos guias espirituais. Como Vicentinos, temos nossos guias em São Vicente e Santa Luísa. E não seriam guias perfeitos também para os Pobres? A espiritualidade deles é tão atual hoje como no tempo que viveram, no século XVII. São pessoas que falam a linguagem de nosso coração e nos apontam direções. Devemos contar sua história e partilhar sua sabedoria com as pessoas que servimos.
São Vicente disse: “Nossa vocação é (…) abrasar os corações das pessoas, fazer o que fez o Filho de Deus, que veio trazer o fogo à terra para inflamá-la com seu amor. Não basta que eu ame a Deus, se meu próximo também não o ama. Devo amar meu próximo como imagem de Deus e objeto de seu amor… Devo agir de tal modo que as pessoas amem o seu Criador e se amem umas às outras com caridade mútua, pelo amor de Deu, que as amou a tal ponto que entregou seu Filho à morte por amor delas”. Não há melhor caminho para levar as pessoas para Deus do que os exemplos de São Vicente e Santa Luísa. Eles viveram perfeitamente o chamado para levar os corações para Deus. Assim, de novo vemos que este é o tempo perfeito para contar a história deles. É o tempo perfeito para fazer disto uma prioridade para a Família Vicentina.
Santa Luísa disse: “Pede-se mais de nós do que simplesmente ir e vir e dar coisas. Nossas intenções devem ser puras e completamente isentas de interesses pessoais”. Muitos de nós, membros da Família Vicentina vamos e vimos muito apressados, quando servimos. Há tanto para fazer e tanta gente para visitar. Corremos em nosso trabalho de servir, em vez de dedicar-nos totalmente a cada pessoa. Como é bonito quando de fato dedicamos tempo a visitar realmente, de coração aberto e mente livre de distrações ou da compulsão de passar a outra pessoa ou a outro assunto. É assim que contemplamos o rosto de Cristo. Então, em vez de ir e vir e estar preocupados com assuntos de nosso próprio interesse, devemos visitar os Pobres e partilhar com eles sobretudo a história de nossos Fundadores e o modo como nos encorajam a fazer o que fazemos.

POR QUE FAZEMOS O QUE FAZEMOS
Os Pobres devem perguntar-se o que é que nos faz agir assim. Uma Filha da Caridade numa clínica na Índia trocava uma atadura suja e limpava uma ferida infectada de uma mulher com lepra, quando a mulher agradecida lhe perguntou: “Irmã, como é que você pode fazer este serviço?” A Irmã respondeu: “Nossos Fundadores nos ensinaram”. Então pôde explicar que São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac ensinaram às Filhas da Caridade que Jesus Cristo está na pessoa dos Pobres. “Eles são nossos mestres e senhores”. A mulher ficou surpresa e honrada.
A maioria dos membros da Família Vicentina “vai e vem”. Escutamos. Agimos. Servimos. Falamos de Deus. Rezamos com as pessoas que visitamos. Fazemos muito. Mas a maioria de nós não diz às pessoas por que fazemos o que estamos fazendo. Não lhes falamos sobre o carisma de nossos Fundadores. E não lhes dizemos que é isso que nos inspira a servir os outros.
Como nos têm ensinado os Responsáveis atuais de nossos grupos, devemos “primeiro fazer e depois ensinar”. Eles nos lembram que São Vicente nos ensinou a fazer isso em todos os nossos serviços aos Pobres. Assim, quando acabamos o serviço que fomos chamados a fazer, temos a ocasião ideal para falar de São Vicente e Santa Luísa, nossos modelos. A mulher que perguntou à Irmã por que estava fazendo o que fazia pôde entender facilmente o que a Irmã lhe respondeu, porque antes havia visto como a Irmã a tinha ajudado. Cada visita a uma casa feita por um membro da Família Vicentina requer em primeiro lugar o serviço. Isso é o que fazemos. Ouvimos as necessidades dos Pobres. Levamos comida. Ajudamos com dinheiro. Damos roupas. Tratamos dos doentes. Atualmente, também estamos buscando respostas para as mudanças das estruturas, ao juntar-nos com os Pobres para ajudá-los a sair da pobreza. Para tudo que os Pobres nos apresentam, procuramos dar respostas. Mas agora façamos um esforço combinado para dar-lhes também o precioso dom do carisma vicentino.

FORMEMO-NOS

Muitos de nós, leigos da Família Vicentina entramos em nossos ramos particulares da Família para ajudar os Pobres, mas nem sempre entendíamos completamente por que estávamos fazendo o que fazíamos. Queríamos simplesmente ajudar os Pobres. Não percebíamos que estávamos servindo “nossos senhores e patrões”. Nem sempre vimos a face de Cristo quando nos sentamos com aquela mãe que luta com três filhos. Não sabíamos do “deixar Deus por Deus”. Mas agora, graças aos recentes esforços de formação da Família Vicentina, muitos de nós já conhecem os elementos básicos da Espiritualidade Vicentina. Entretanto, se queremos abrir amplamente as portas do Carisma Vicentino e convidar os Pobres a juntar-se a nós na celebração da Família Vicentina, devemos preparar-nos para ensinar.
Então, este ano é também o tempo perfeito para que cada um de nós estude as vidas e as palavras de São Vicente e Santa Luísa e reflita sobre elas para nosso próprio crescimento espiritual e para sermos capazes de partilhar esta sabedoria com outros, especialmente com as pessoas que estamos servindo. Para fazer assim, precisamos acreditar no Carisma Vicentino e entendê-lo tão fortemente que não possamos deixar de falar dele a todas as pessoas e de testemunhá-lo. Os Pobres devem ver São Vicente e Santa Luísa em cada um de nós. Frederico Ozanam observou que “um santo patrono não pode ser para uma sociedade como uma simples tabuleta, como os nomes de São Dionísio ou São Nicolau na porta de um bar. Um santo patrono deve ser visto como um tipo com o qual tentamos conformar-nos como ele (São Vicente ou ela, Santa Luísa) se conformou com o tipo divino que é Jesus Cristo” (J. P. Derum, Apostle in a Top Hat, p. 112).

O ANO PERFEITO
Este aniversário dos 350 anos da morte de São Vicente e Santa Luísa é o tempo perfeito para partilharmos a notícia do nosso Carisma com nossos “senhores e patrões” e os convidarmos a virem celebrar com todos os Vicentinos. São Vicente disse que “não fizemos o suficiente por Deus e pelo nosso próximo se ajudamos os pobres doentes apenas dando comida e remédios e se não os assistimos (…) com os serviços espirituais que lhes devemos”. Um dos serviços mais especiais que podemos prestar é ensinar uma pessoa a ser semelhante ou a tornar-se de fato o Jesus de São Vicente e de Santa Luísa de Marillac. Isto é seguir Cristo Evangelizador e Servidor dos Pobres. Como fazemos isso? Pensem nestas idéias:
Partilhar o Carisma com os Pobres. Ao visitarmos uma pessoa ou uma família, reservar alguns minutos extras para falar de São Vicente e Santa Luísa e da Família Vicentina. Falar sobre a vida, a fé e as ações dos Santos.
Preparar material por escrito. Dentro de nosso ramo local da Família Vicentina (conferência, associação ou grupo), providenciar textos simples para distribuir às pessoas que servimos. Pode ser como um cartão dobrado, um fôlder, um folheto, que conte a história dos Fundadores.
Fazer uma celebração local e convidar os Pobres. Planejar uma reunião para celebrar a festa de Santa Luísa e/ou outra para celebrar a festa de São Vicente. Convidar os outros ramos da Família e os que estamos servindo. Preparar uma refeição simples e aproveitar para apresentar os Santos Fundadores com encenações curtas, quadros dramatizados ou materiais audiovisuais.
Convidar os Pobres para serem membros da Família. Perguntar às pessoas que vocês estão servindo, quando apropriado, e também a seus amigos, se têm interesse em tornar-se membros de sua conferência, de sua associação ou de seu grupo. Convidá-los para uma reunião, para poderem decidir-se.
Iniciar um projeto vicentino. Há alguma necessidade em sua comunidade que precisa de atenção? Reunir pessoas da comunidade para discutir essa situação. Envolver os Pobres, homens e mulheres e todos os jovens, em todas as etapas: identificação dos problemas, planejamento, realização e avaliação do projeto. Pensar num Projeto de Mudança de Estruturas. Ler o livro “Sementes de Esperança – Histórias de Mudanças der Estruturas”.

AMPLIAR A FAMÍLIA VICENTINA
Que meio melhor de celebrar os 350 anos da morte de São Vicente e Santa Luísa do que abrir amplamente as portas da Família Vicentina a todos, especialmente aos Pobres? Os Santos não teriam tido outro meio, além de incluir “nossos amos e senhores”. Se fizermos assim, será uma celebração sem igual.
Este é o ano mais perfeito para abrir-nos para a Família, para todos os ramos e os Pobres. Numa reunião da Família Vicentina, nos Camarões, na África, em julho de 2009, foi contada uma história africana que mostra o desejo de Deus de que todos os homens e mulheres possam viver em solidariedade uns com os outros. A história é assim:
Havia uma nuvem, uma grande e bonita nuvem. Na nuvem havia muitas gotas de água. Cada uma tinha um nome. Havia Dignidade, Esperança e Amizade. Havia Gentileza, Simplicidade e Humildade. Havia muitas mais, com nomes igualmente bonitos. E havia Exclusão. Exclusão era muito infeliz. Era arrogante, egocêntrica, impaciente e orgulhosa. Deus tinha dito a todas as gotas de chuva: “Devemos esperar pelo momento justo para chover sobre a terra. Na hora eu vou dizer”. Mas a Exclusão disse: “Não vou esperar coisa nenhuma. Quero atenção. Quero ser reconhecida. Quero fazer uma coisa que seja notada”. E então ela deixou a nuvem e caiu sobre a terra. Plop! Não aconteceu nada. Finalmente, Deus disse às outras gotas de chuva: “É agora! É a hora de chover sobre a terra”. Então, todas as gotas de chuva se soltaram da nuvem e choveram sobre a terra. Houve um barulho muito forte, como uma explosão. Foi seguido de gritos de alegria e felicidade. Havia amor por toda parte. As pessoas viveram felizes depois em solidariedade umas com as outras e deram glória a Deus.
Possa a Família Vicentina crescer em número e em amor, neste ano centenário. Possa a “Exclusão” ficar de fora… Deus abençoe nossos esforços com os Pobres e em favor deles.

Para refletir:
Partilhamos a história de São Vicente, de Santa Luísa e da Família Vicentina com os pobres com quem trabalhamos?

Eugene Smith, Sociedade de São Vicente de Paulo, Estados Unidos

terça-feira, 13 de julho de 2010

Romaria 2011 será nos dias 9 e 10 de abril



A data da próxima Romaria Nacional a Aparecida (SP) vem sendo aguardada com ansiedade por vicentinos de todo país.Ontem, o diretor de Comunicação – Ricardo Fonseca – foi informado pelo Santuário Nacional que a festa de fé e união será celebrada nos dias 9 e 10 de abril de 2011.Uma Circular foi encaminhada aos Conselhos Metropolitanos (CM’s), motivando a participação dos confrades e consócias no evento e explicando o motivo da alteração da data, já que a Romaria acontece nas proximidades do dia 24, no entanto, em 2011, ela coincidiria com a Semana Santa.
Fonte: da redação do SSVPBRASIL

segunda-feira, 12 de julho de 2010

COMUNICADO: SSVP não possui parceria com ONG FIND



O Conselho Nacional do Brasil (CNB) comunica que a Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP) não possui nenhuma parceria com a ONG Fundo de Incentivo ao Doador (FIND). Esta instituição tem entrado em contato com pessoas de todo o Brasil e solicitado doações, informando que elas seriam destinadas para entidades, a exemplo da Sociedade de São Vicente de Paulo. No site, a chamada ONG FIND inseriu – sem nossa autorização – a logomarca da SSVP e, em um vídeo, cita a instituição como parceira.
Se você receber uma ligação ou e-mail de algum membro da ONG Fundo de Incentivo ao Doador (FIND), pedindo doações que seriam destinadas à Sociedade de São Vicente de Paulo, não contribua.
O CNB informa ainda que medidas legais já estão sendo tomadas por nosso Departamento Jurídico.

Ricardo Fonseca
Diretor Nacional de Comunicação da Sociedade de São Vicente de Paulo

Arraiá da Creche São Vicente de Paulo

video video

Creche São Vicente de Paulo promove Show de Prêmios

A Creche São Vicente de Paulo de Votorantim estará promovendo no próximo dia 20 de Agosto a partir das19h mais um Show de Prêmios prol a manutenção da Instituição. O Evento acontecerá no Salão de Festas e Eventos Balbo, situado na Avenida Santos Dumont, 370 -Vila Domingues.
Os Convites antecipados ao valor de R$ 12,00, que darão direito a troca na portaria do Evento por 10 Cartelas de Bingo, para o proprietário concorrer a vários prêmios em 10 Rodadas e 01 TV LCD de 32 polegadas na roda principal, poderão ser adquiridas na Secretaria da Instituição ou em uma das Unidades Vicentinas do Município.
No dia do Evento haverá rodas extras, grátis e sorteios de brindes.

domingo, 11 de julho de 2010

Papa recorda universalidade do amor

Bento XVI presidiu a oração mariana do Ângelus, deste domingo (11), no pátio interno da residência apostólica, em Castel Gandolfo.
A liturgia de hoje nos convida a seguir o exemplo do Bom Samaritano, parábola contada por Jesus no Evangelho desse domingo.
O samaritano foi aquele que acudiu o homem despojado e espancado por assaltantes e deixado à beira do caminho.
Falando sobre o comportamento do Bom Samaritano, o Papa sublinhou que a parábola deve nos ajudar a transformar a nossa mentalidade segundo a lógica de Cristo, que é a lógica da caridade.
“Deus é amor, e dar-lhe graças significa servir aos irmãos com amor sincero e generoso", disse.
Bento XVI frisou que este trecho do Evangelho nos mostra a universalidade do amor para com o necessitado encontrado por acaso, seja ele quem for.
O papa recordou que junto a esta regra universal, existe também uma exigência especificamente eclesial: que na Igreja, enquanto família, ninguém sofra por falta do necessário.
“O programa do cristão, extraído do ensinamento de Jesus — é um coração que vê onde existe necessidade de amor e age em conseqüência”.
O pontífice recordou São Bento de Núrcia, pai e legislador do monaquismo ocidental.
Ele escreveu a regra para os monges, espelho de um magistério encarnado em sua pessoa.
São Bento de Núrcia foi proclamado Padroeiro da Europa, em 24 de outubro de 1964, pelo Papa Paulo VI, que reconheceu a sua maravilhosa obra desempenhada em prol da formação da civilização européia.
No encerramento, Bento XVI confiou à Virgem Maria "o nosso caminho de fé para que os nossos corações não percam de vista a Palavra de Deus e os irmãos em dificuldades".
Com informações da Rádio Vaticano.

Novo Caderno Vicentino: “Sejamos Solidários”


O Conselho Internacional da Juventude Marial Vicentina (JMV), um dos Ramos da Família Vicentina que mais cresce no mundo, em resposta a um dos desafios assumidos durante a II Assembleia Geral da Entidade, realizada em Paris em 2005, lançou um novo Caderno Vicentino com o nome “Sejamos Solidários”, com materiais que ajudam a fomentar nossa co-responsabilidade e solidariedade dentro da Associação. O Livro está dividido em três partes para uma melhor compreensão. “Recordemos que somos uma Associação Internacional e que como Vicentinos somos chamados a trabalhar como São Vicente fazia de forma organizada, para assim conseguir com maior eficácia nossos objetivos que devem ser sempre pensando na melhor maneira de servir aos mais pobres”, diz o documento que custa apenas 3 dólares (menos de R$ 5,00). Pedidos: jmvinter@telefonica.net ou secinterjmv@telefonica.net Fonte: FAMVIN.

Igrejas de países lusófonos discutem formas de combater a pobreza


Os bispos dos países de língua portuguesa estão reunidos em São Tomé e Príncipe para discutir a participação da Igreja na luta contra a pobreza. Participam bispos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal. Apenas Macau e Timor-Leste não participam desta reunião, que acontece pela 9ª vez.

O vice-presidente da CNBB, dom Luís Soares Vieira, representa o episcopado do Brasil no encontro que começou sábado, 3, e prossegue até sexta-feira, 9. Em entrevista à Rádio Vaticano, ele se disse impressionado com a liturgia celebrada pelas comunidades. “Fiquei impressionado com as comunidades e as com liturgias muito participadas. Os cantos que se cantam no Brasil são cantados aqui também”, disse dom Luis.

O vice-presidente destacou, também, o alto índice de pobreza do país e a hospitalidade do povo de São Tomé. “O povo é muito hospitaleiro, mas muito pobre. É um país que precisa encontrar rumo, pois depende do cacau”, acrescentou.
Segundo dom Luís, a Igreja tem ajudado muito o país. “A Igreja está muito presente na educação, tanto escolar quanto popular. Há um esforço grande para ajudar o povo a encontrar caminho”.

O bispo de São Tomé e Príncipe, dom Manuel dos Santos, considera que o encontro das Igrejas Lusófonas um acontecimento importante não só para a Igreja local, mas para o próprio país.

Segundo a Agência Ecclesia, o bispo de São Tomé e Príncipe, dom Manuel dos Santos, ressaltou a pobreza da população de São Tomé como um desafio à Igreja Católica que procura “ser uma resposta para as dificuldades do povo”.
Ele defendeu a importância da “troca de experiências” sobre o tema escolhido para o encontro deste ano, uma vez que “cada país tem a sua caminhada”.

“A cultura religiosa são-tomense não deixa de ter um certo ecletismo”, admite dom Manuel. “A Igreja local, com apenas 12 sacerdotes, encontra dificuldade de fazer com que o povo assuma a realidade cristã em toda a sua dimensão social, cultural, moral”, acrescentou.

Fonte; CNBB

Padre Eli é eleito primeiro assistente de Gregory Gay


O brasileiro padre Eli Chaves, que já foi assessor espiritual do Conselho Nacional do Brasil da SSVP, foi eleito hoje, 10, como primeiro assistente do padre Gregory Gay. A eleição aconteceu durante a Assembléia Geral da Congregação da Missão em Paris. Padre Eli será o único sacerdote brasileiro a fazer parte do grupo que coordena a Congregação vicentina em todo o mundo. Ele recebeu 79 dos 113 votos contabilizados.

O padre vicentino que pertence a Província Brasileira da Congregação da Missão com sede no Rio de Janeiro, atualmente mora em Moçambique na África onde presta serviço na vice-província e ainda assessora as Filhas da Caridade.

O Conselho Nacional do Brasil congratula padre Eli Chaves- um missionário dinâmico e que sempre esteve nas bases servindo os mais Pobres.

Fonte- Ricardo Fonseca- Decom CNB

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Relíquias Vicentinas na Arquidiocese de Belo Horizonte



Dia 01 de julho vai ficar marcado para sempre na memória dos Vicentinos da capital dos Vicentinos, pois as 15h, solenemente, foram recebidas as Relíquias de São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac na Catedral de N. Sra. da Boa Viagem – Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua, completamente cheia, onde aconteceu a Celebração Eucarística presidida pelo Emº Cardeal Dom Serafim, Arcebispo Emérito da Arquidiocese de Belo Horizonte, sendo concelebrantes os Padres da Congregação da Missão (CM). A animação ficou com o Diácono Vinícius, cuja Ordenação Presbiteral acontecerá dia 15 de agosto próximo, festa do Jubileu de Nossa Senhora da Boa Viagem. Foram momentos de muita espiritualidade, onde Dom Serafim rememorou a sua infância, indo com seu pai para as reuniões de uma Conferência Vicentina em Itamarandiba (MG), a ida para o Seminário onde foi orientado e assistido pelos Padres Lazaristas. Disse ainda “o carisma vicentino marcou toda a sua vida. A visita das Relíquias traz saudade, mas muita gratidão. Tudo passa pelo nosso coração. As Relíquias valem mais do que qualquer coisa, pois estão dentro de nós reavivar e viver o carisma vicentino. Agradeço este momento” finalizou. Após a Santa Missa as Relíquias ficaram expostas para veneração daquela multidão que estava na Catedral e outros que vieram após o encerramento do horário comercial. Fonte: csc. Marileide Araújo

Ano Jubilar da Família Vicentina



Este ano, a Família Vicentina celebra 350 anos da morte de São Vicente de Paulo e de Santa Luísa de Marillac. Falecidos em 1660, vivenciaram de modo especial os ensinamentos de Jesus Cristo, assumindo o compromisso de viver em profunda comunhão com os pobres. Todas as Congregações, Movimentos, Grupos e Comunidades que compõem a Família Vicentina celebram o Jubileu com muita alegria. As Relíquias de São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac ficarão expostas para visitação em algumas Paróquias da Arquidiocese de Belo Horizonte, de 1º a 9 de julho. Momento em que cada membro da Família Vicentina é convidado a renovar seu compromisso missionário de seguir Jesus Cristo, evangelizador e servidor dos pobres, no caminho de santidade aberto por Vicente de Paulo e Luísa de Marillac

Vaticano reconhece martírio de Irmã de Caridade


No último dia 4 de maio, o Congresso de Teólogos do Vaticano aceitou e reconheceu, por unanimidade, o martírio da Serva de Deus, Margarida Rutan, Filha da Caridade de São Vicente de Paulo (FC), guilhotinada em Dax (França) durante a Revolução Francesa, em 1794. O Pe. Guerra, Postulador da Causa da Canonização da Religiosa no âmbito da Congregação da Missão, acrescentou que agora é necessário esperar pela próxima reunião dos Cardeais, e em seguida, pela decisão final do Santo Padre, sobre a Beatificação de Irmã Margarida que poderá ser celebrada muito provavelmente nos próximos meses em Dax (França). O resultado da causa de Irmã Margarida, introduzido no começo do século XX, é uma graça deste Ano Jubilar em honra do 350º aniversário das mortes de Santa Luísa e de São Vicente. “Agora teremos que conhecer esta Filha da Caridade que viveu durante os anos tumultuados da revolução, enfrentando múltiplas opressões e perseguições para continuar servindo os doentes e finalmente entregou sua vida por permanecer fiel ao seu Senhor e a sua Igreja”, comentou Evelyne Franc, Superiora Geral das Filhas da Caridade. Fonte: FAMVIN

Vaticano aprova estatutos da Associação da Medalha Milagrosa



O Vaticano aprovou, em 14 de abril passado, os Estatutos da Associação da Medalha Milagrosa (AMM), um dos Ramos da Família Vicentina mais antigos. A AMM é formada por fieis leigos e pessoas consagradas, cuja fundação foi aprovada pela Igreja em 8 de julho de 1909, pelo Papa Pio X, por meio do Breve “Dilectus filius”, vinculando a nova Entidade à direção do Superior-Geral da Congregação da Missão (CM). Em 2009, a AMM, reunida em Encontro Internacional, durante seu Centenário, aprovou novos Estatutos, que agora foram aprovados pela Igreja. Assim se pronunciou a “Congregação dos Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica”: “Esta Congregação, depois de atento exame da matéria, aprova o novo texto dos Estatutos Gerais da Associação da Medalha Milagrosa”. Fonte: FAMVIN

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Religiosas se preparam para a assembleia da CRB


O Núcleo Diocesano da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB), diocese de Umuarama, se reuniu no último domingo, 4, na Creche Anjo da Guarda, em Umuarama (PR), para estudar o tema da 22ª Assembleia Geral Eletiva da CRB, que será realizada nos próximos dias 19 a 22, em Brasília (DF): “De Olhos Fixos em Jesus”. O evento contou com a presença da Irmã Círia Catarina Mees (CRB de Curitiba), que assessorou o estudo do tema.

As 20 religiosas, das diversas congregações que atuam na diocese, também elegeram a nova coordenação diocesana da CRB, que estava sendo coordenada pela irmã Maria Pascuali, cuja congregação não atua mais em Umuarama. A equipe de coordenação eleita foi:

Assessora; irmã Dirce Gomes da Silva – Irmãs de Cristo Pastor
Coordenadora: irmã Dirce Lourenço – Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus
Vice-coordenadora: irmã Ana Brito – Irmãs de Cristo Pastor
Tesoureira: irmã Tereza Reder – Irmãs Franciscanas do Sagrado Coração de Jesus
Vice-Tesoureira: irmã Clarice Monteiro dos Anjos – Irmãs de Cristo Pastor
1ª Secretária: irmã Wanda Walus – Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo
2ª Secretária: irmã Taíse Cristina Ramos – Fraternidade Coração Chagado de Jesus
Conselheiras: irmã Ana Lernen – Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo e a irmã Verani Carolina Tomazete – Irmãs do Imaculado Coração de Maria

Pe. Gregory Gay continua à frente da CM


Hoje, os membros da Congregação da Missão (CM) - reunidos em Paris (França) - decidiram que o Pe. Gregory Gay continua à frente desta instituição. O novo mandato vai até junho de 2016. O padre é o 23º sucessor de São Vicente de Paulo. Ele tem 57 anos.
A Assembleia Geral da CM foi iniciada no dia 28 de junho e deve ser concluída em 16 de julho. O lema do evento é ‘Fidelidade Criativa para a missão’ e tem como tema ‘Fieis ao Evangelho... Atentos aos Sinais do Novo Tempo... Vamos abrir novos caminhos e usar novos métodos, permanecendo em estado de renovação contínua’.
A programação contém ainda celebrações litúrgicas, palestras e trabalhos em grupos.
Do Brasil, participam do evento: representantes de Curitiba, Fortaleza e Rio de Janeiro.
Padre Gregory Gay é responsável por 4 mil padres vicentinos e 23 mil Filhas da Caridade, em 84 países. Nos últimos 6 anos, visitou 70 países

Fonte: da redação do SSVPBRASIL

O Primeiro Irmão


Clément Myionnet


Ele é o primeiro companheiro do P. Le Prevost e com ele fundou a Congregação dos Religiosos de São Vicente de Paulo. Passam a viver juntos em maio 1846 e ambos fazem o voto de dedicar-se às obras caritativas.

O irmão Clement Myionnet com a sua vida, a sua espiritualidade, a sua participação na fundação da congregação será o tema do próximo encontro da família leprevociana nos dias 3 e 4 de julho

Assinatura do BB pode ser feita via site

A partir de hoje, os vicentinos vão ter menos trabalho quando forem assinar a revista Boletim Brasileiro. O demorado processo – de fazer o depósito e enviar o comprovante via fax ou e-mail – foi extinto. Agora, a assinatura será por meio do site SSVPBRASIL.
A iniciativa visa facilitar e dinamizar o processo, tendo em vista que nos dias atuais, as ferramentas de informação são grandes aliadas dos indivíduos e organizações.
Para assinar o Boletim Brasileiro, você deve clicar no link na página inicial. Depois, basta preencher o formulário, imprimir e pagar o boleto bancário.

IMPORTANTE

A partir de agora, dúvidas sobre a assinatura do Boletim Brasileiro devem ser enviadas para o seguinte endereço de e-mail: assinaturas@ssvpbrasil.org.br


Fonte: da redação do SSVPBRASIL

Conhecendo a Casa onde São Vicente nasceu e Viveu






















quarta-feira, 7 de julho de 2010

Creche São Vicente de Paulo apresenta resultados da 95ª Festa Junina de Votorantim

A Creche São Vicente de Paulo de Votorantim apresentou nesta quarta-feira o resultado obtido pela Instituição na 95ª Festa Junina de Votorantim, realizado de 12 a 27 de Junho na Praça de Eventos. A Direção da Organização agradece a todos os Diretores, Vicentinos, Funcionários, colaboradores e sobretudo a população que prestigiou a barraca.
Acompanhe abaixo o resumo financeiro:
Receitas: R$ 18.972,15
Despesas: R$ 8.486,36
Lucro Líquido: R$ 10.485,79

terça-feira, 6 de julho de 2010

Filha da Caridade assume Coordenação da Pastoral da Pessoa Idosa


No dia 18 de maio de 2010, na Capela da Medalha Milagrosa - Casa Provincial das Filhas da Caridade da Província de Curitiba, durante Celebração Eucarística presidida por Dom José Antonio Peruzzo, Presidente do Conselho Diretor da Pastoral da Pessoa Idosa, ocorreu a posse de Irmã Terezinha Tortelli, Filha da Caridade, como Coordenadora Nacional da Pastoral da Pessoa Idosa.
Irmã Terezinha Tortelli que trabalhou 17 anos com a Dra. Zilda Arns, afirmou: “Sinto-me plenamente enviada em nome da Companhia e em nome da Igreja para servir com espírito de humildade, simplicidade e caridade.”
Hoje a Pastoral da Pessoa Idosa está presente em 26 Estados, 174 dioceses, 1.237 paróquias em 4.997 comunidades de 825 municípios brasileiros. O trabalho pastoral é feito por 19.761 líderes comunitários capacitados que acompanham 175.822 pessoas idosas e 140.180 famílias.
Irmã Terezinha, que neste ano Jubilar dos 350 anos da morte de São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac, Deus a abençoe nesta missão na Pastoral da Pessoa Idosa!
Irmã Jocelia Chuproski, FC

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Prefeitura renova Convênio com a Creche São Vicente de Paulo


Nesta semana o prefeito de Votorantim Carlos Pivetta assinou a renovação do convênio com a Creche São Vicente de Paulo. A partir deste mês a entidade que atende 66 crianças passará a receber mensalmente um subsídio de R$ 8.580,00.

Ao todo a prefeitura mantém convênio com treze entidades, que trabalham em sua maioria com atendimento a crianças, atingindo R$ 141.911,02, ao mês, chegando a R$ 1,7 milhão anualmente.

Para o prefeito Carlos Pivetta o valor repassado a entidade passa de R$ 60 para R$ 130 por criança, por se tratar do custo médio gasto com os alunos da Rede Municipal de Ensino. "Vale lembrar que a entidade tem ainda que arcar com seus encargos", disse.

Mantida pela Sociedade São Vicente de Paulo (Vicentinos) a entidade foi fundada em 1984 e atualmente atende crianças com idade entre três meses e quatro anos com vagas destinadas a famílias de baixa renda.

A assinatura do convênio contou com a presença da presidente da entidade, Maria de Lourdes Santos Pinto; presidente da Câmara Municipal, Pedro Nunes Filho; vereadores Francisco Carlos Amorim, Marilene Newman, Heber de Almeida Martins e secretários municipais.

A presidente da entidade destacou os trabalhos realizados nesses 27 anos, que sempre teve o apoio do poder público. "Nossa missão na entidade é sempre ajudar ao próximo e por isso somos muito agradecidos pelo apoio recebido da Prefeitura", disse.



Prefeitura de Votorantim – Secretaria de Comunicação (Secom)

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Congregação da Missão está reunida em Paris

A Assembleia Geral da Congregação da Missão (CM) é realizada em Paris, entre os dias 28 de junho a 16 de julho de 2010. O lema do evento é ‘Fidelidade Criativa para a missão’ e tem como tema ‘Fieis ao Evangelho... Atentos aos Sinais do Novo Tempo... Vamos abrir novos caminhos e usar novos métodos, permanecendo em estado de renovação contínua’.
Na próxima semana, dia 8, haverá a eleição do novo Superior Geral da CM. A programação contém ainda celebrações litúrgicas, palestras e trabalhos em grupos.
Do Brasil, participam do evento: representantes de Curitiba, Fortaleza e Rio de Janeiro.
Em carta, o atual Superior Geral da Congregação da Missão, Padre Gregory Gay, pede: “Uma preparação importante para esta Assembleia será a oração (...) Pedimos que o Espírito nos estimule e nos ajude a responder em fidelidade à vontade de Deus. Como sempre, também pedimos intercessão à Maria (nossa mãe) e a São Vicente de Paulo e Santa Luisa”.
Fonte: da redação do SSVPBRASIL